SEE ADVANCE

RT: Dr. Rodrigo Machado Cruz | CRM-DF 9603 | RQE 3061

PREPARO PARA CIRURGIA

CIRURGIA DE ESTRABISMO

A correção do estrabismo é realizada através de diversas técnicas cirúrgicas, com o objetivo de obter novo equilíbrio dos músculos oculares e permitir um melhor alinhamento ocular.
Para cada tipo de estrabismo existe um ou mais tipos de tratamentos possíveis e cabe ao oftalmologista escolher a melhor indicação para cada paciente. Muito importante para esta decisão é a avaliação pré-operatória, que geralmente inclui avaliação oftalmológica completa e detalhado estudo da motilidade ocular.

A Cirurgia

A cirurgia é precedida de exames pré-operatórios oftalmológicos e sistêmicos, dependendo das características de cada paciente. Pode ser realizada com utilização de anestesia local ou geral. Opta-se pela anestesia geral principalmente em cirurgias maiores e as realizadas em crianças, que não colaboram com o procedimento quando estão acordadas.

O tratamento cirúrgico do estrabismo é um procedimento com baixos riscos de complicações oculares e sistêmicas mas que deve ser realizado sempre em centro cirúrgico e esse deve possuir toda estrutura para detectar rapidamente e tratar qualquer complicação que possa ocorrer durante o procedimento.

Algumas vezes a cirurgia pode ser realizada com a utilização de aplicação de toxina botulínica, o que torna o procedimento mais rápido e a recuperação mais tranquila. No entanto, para a maioria dos casos, a cirurgia tradicional ainda é a mais indicada pelos resultados mais previsíveis.

Cuidados Pré-Cirúrgicos

A internação se dá, normalmente, no dia da operação.

ATENÇÃO AOS ALIMENTOS: O paciente não deve ingerir, antes do procedimento:

  • Alimentos sólidos: no mínimo por 8 horas
  • Beber água e chá: no mínimo por 4 horas
  • Leite materno: no mínimo por 4 horas
  • Leite de vaca ou soja: no mínimo por 8 horas (deve seguir mesmas orientações para sólidos).

Antes da cirurgia o paciente deverá estar atento a alguns cuidados:

  • Lavar bem o rosto e a cabeça na noite anterior ao procedimento ou mesmo no dia da cirurgia. Não é recomendado uso de maquiagem ou creme no rosto no dia da cirurgia.
  • Sugerimos o uso de roupas confortáveis e fáceis de serem trocadas. Preferir deixar objetos de valor (relógios, brincos, colares, etc) em casa. Isto diminui um ponto de preocupação na hora da cirurgia.
  • Não esquecer de levar todos os exames laboratoriais e avaliações clínicas solicitadas, mesmo que já tenham sido apresentadas ao oftalmologista. O anestesista também pode precisar conferir os resultados.

Cuidados Pós-Cirúrgicos

Terminada a cirurgia, o paciente retorna ao quarto com um curativo sobre o olho operado (quando realizado procedimento com anestesia geral muitas vezes já pode sair sem curativo) e, geralmente, recebe alta no mesmo dia.

Dores moderadas são habituais e costumam ser controladas com anti-inflamatórios e analgésicos administrados por via oral. Pacientes podem reclamar de sensação de corpo estranho, “areia nos olhos”, principalmente pela presença dos pontos. O desconforto costuma melhorar em poucos dias. Evite coçar os olhos.

Um aspecto que pode chamar atenção no pós-operatório é a presença de lágrima róseo-sanguinolenta. Essa característica desaparece em um ou dois dias e está presente na maioria dos pacientes operados.

Alguns pacientes podem perceber visão dupla (diplopia) nos primeiros dias do pós-operatório, mas isso costuma desaparecer na primeira semana.

O alinhamento ocular fica instável nos primeiros dias e usualmente o resultado final somente pode ser visto após 2 semanas da cirurgia.

É importante que paciente faça repouso relativo nos primeiros dias após a cirurgia, principalmente evitando pegar pesos, pelo risco de se soltarem os pontos. Cuidado também deve ser tomado com limpeza das mãos e ambientes para se evitar risco de infecções. Banhos em piscinas e mar devem ser evitados nas 3 primeiras semanas.

O paciente pode assistir TV e ler desde que esteja se sentindo bem.

Uso de colírios com antibióticos e antiinflamatórios ajudam à recuperação ocular e devem ser aplicados dentro dos olhos, mesmo que para isso seja necessária abertura manual das pálpebras. Sempre lavar bem as mãos antes de instilar os colírios.

Muito importante também é a realização de limpeza palpebral para se evitar acúmulo de secreção que pode facilitar infecções. Esta pode ser feita com uso de gazes e soro fisiológico (novo) ou água fervida.

Seu oftalmologista poderá ajudar com dúvidas adicionais.

(61) 3346-0210
Atendimento
Olá!
Bem vindo a SEE Advance! Como podemos ajudar?